sexta-feira, 13 de outubro de 2017

jura secreta 102


jura secreta 102

é abissal
o cheiro de esperma e susto
não fosse o ópio
nem cem anos de solidão
provocaria tal efeito
o peito estraçalhado
por dentes enigmáticos
Monalisa sangra na Elegia do agora
cada Deusa tem seu Templo
cada mulher tem sua hora

Artur Gomes


foto: Antonio Cruz
imagem: César Castro

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

satânica


Satânica
para Kry/Vella

eu sou ator
poeta
produtor cultural
vivo pintando o sete
nos porões da catedral
tenho cabeça
tronco
membro sexual

eu sou Universal

Federico Baudelaire

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

fulinaímicas sagarânicas


não sou casta
e sei o quanto custa
me jogar as quantas
quando vejo tantas
que não tem coragem
presas pela covardia
eu sou voragem
dentro da noite veloz
na vertigem do dia

Federika Lispector



a menina fala
o menino grita
alguma coisa aflita
brota da garganta
qual navio negreiro
o sarau prossegue
enquanto um outro canta
no corredor da sala
há um navio inteiro

Cristina Bezerra


segunda-feira, 2 de outubro de 2017

jura secreta 101



jura secreta 101

porque te amo talvez não saiba
dentro da  boca tem um poema
que ainda não escrevi
um bem-te-vi pousou  na  alma
beijo com calma
o pássaro que agora mora em ti

ainda tenho dedos língua
pulsação que ainda cabe
pelas  águas do teu cais
nas tempestades dos teus ritos
quando me vens de alguma praia
com a calmaria dos aflitos
e borda em conchas na areia
a geografia a flor do logos
no teu olhar que me incendeia

Artur Gomes

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

jura secreta 98



Jura secreta 98

Dandara tão clara
quanto rara
jura secreta
que desabrocha
em flor de lótus
 flor de lascio
 flor de lírios
 flor de cactos
 flor/espinho
 depois do amor
pedra trans/tornada
flor no meio do caminho

Artur Gomes
foto.poesia




jura secreta 99



Jura Secreta 99

dentro do quarto
o poema tenso
não entra nem sai
o estômago ronca
as tripas gritam de fome
e o poema preso
tenta dar um salto
pular pelas janelas
o impulso é fraco
o país é pobre
enquanto o povo dorme
a rosa se esfacela
e os restos na bandeja
são vendidos por migalhas

Artur Gomes


quinta-feira, 31 de agosto de 2017

juras secretas


Jura secreta 84

diante o mar
o que pensar
a não ser o infinito
o grito das baleias
o silêncio dos peixes
a nossa fome disseminada
em cada um deles
os corais os abissais os ancestrais
os minerais os barcos atracados no cais
e o quanto somos finitos

diante o mar
o que pensar
a não ser como ela mexe comigo
aqui agora beliscando meu umbigo
em qualquer lugar que eu esteja

com esse copo de cerveja

 diante o mar
o que pensar
a não ser os pés na areia
e quem sabe uma seria
me leve a mergulhar


Jura secreta 85

enquanto você espera
Jesus voltar
- *com a boca escancarada
cheia de dentes
esperando a morte chegar

os políticos te enrabam
até o caroço
dos pés do cu  ao pescoço

sem ninguém pra te salvar!
* Raul Seixas - em Ouro de Tolo



Jura secreta 86

os olhos dessa felina
me arranham como unhas
como faca de dois gumes
que todo poema tem
São Sebastião do Sacramento
profana hóstia no altar
sagrada carne de minas
que comi para pecar




quarta-feira, 30 de agosto de 2017

jura secreta 83


Jura secreta 83

mordi a carne da maçã
na língua o gosto era o batom
que ela usa nos mamilos
a carne da fruta é vermelha
branca é a minha Vênus de Milos

grafita pela pele pelos poros
como plumas
nas linhas dos lençóis de linho
transpira o amor em desalinho
rasgando toda blusa de lã
da minha musa de Vênus
quando transborda nossa cama de manhã

Artur Gomes